O QUE É A MODERNIDADE? MODERNOS OU PÓS-MODERNOS, QUEM SOMOS? ARTE COMO ATITUDE

Ana Maria de Barros, Ana Maria Martins Alves Vasconcelos

Resumo


RESUMO: O texto resulta de uma pesquisa em andamento que pergunta sobre o Poético na atualidade, sobre o que é o moderno, o que é o pós-moderno, e se existe algo que vá além dessas nominações para definir outro movimento, momento, ou a atitude na arte. Quem faz esta importante pergunta é Baudelaire, e responde que arte cria a magia sugestiva que contém o objeto e o sujeito, o mundo exterior para o artista e o próprio artista. A arte enquanto “magia”, enquanto excesso de atitude mágica de transfiguração, de relação, de atualização, no sentido usado por Bataille. Para abordar tais pontos, o contexto das análises de Nicolas Bourriaud e Gilles Lipovetsky é parte do processo. Tais filósofos contemporâneos abordam a respeito de um mundo hipermoderno, paradoxal, e altermoderno que está relacionado com a imagem do arquipélago e de questões relacionadas à alteridade. O destaque em especial é Bourriaud, que propõe pensar o flâneur, mas para além do descrito por Baudelaire, é o artista que percorre a cidade como um errante, aquela com uma prática artística como invenção de diferentes relações entre os sujeitos, e na criação de cada obra de arte.

 


Texto completo:

PDF

Referências


ALTHUSSER, L. A querela do humanismo. Crítica Marxista, n. 14, p. 48-73, 2002. Disponível em: https://www.ifch.unicamp.br/criticamarxista/sumario.php?id_revista=14&numero_revista=14. Acesso em: 26 nov. 2019.

BAUDELAIRE, C. Poesia e prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1995.

BAUDELAIRE, C. Sobre a modernidade. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

BAUDELAIRE, Charles. Escritos sobre arte. Org. e trad. Plínio Augusto Coêlho. São Paulo: Imaginário; Edusp, 1991.

BAUDELAIRE, C. O pintor da vida moderna. In CHIAMPI, I. (Org.). Fundadores da modernidade. Trad. Maria Salete Bento Cicaroni. São Paulo: Ática, 1991, p. 102-119.

BENJAMIN, W. Charles Baudelaire, um lírico no auge do capitalismo. Trad. José Martins Barbosa e Hermerson Alves Batista. São Paulo: Brasiliense, 1989. (Obras escolhidas, v. 3).

BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura/Walter Benjamin. 7. ed. Trad. Sérgio Paulo Rouanet; prefácio de Jeanne Marie Gagnebin. São Paulo: Brasiliense, 1994. (Obras escolhidas, v. 1).

BENJAMIN, W. Origem do drama barroco alemão. Trad., apresentação e notas de Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1984.

BENJAMIN, W. Rua de mão única. 5. ed. Trad. Rubens Rodrigues Torres Filho e José Carlos Martins Barbosa. São Paulo: Brasiliense, 1995. (Obras escolhidas, v. 2).

BENJAMIN, W. Walter Benjamin, Sociologia. 2. ed. Trad., introd. e org. Flávio Kothe. São Paulo: Ática, 1991.

BOURRIAUD, N. Radicante: por uma estética da globalização. Tradução Dorothée de Bruchard. São Paulo: Martins Fontes, 2011a. (Coleção Todas as Artes).

BOURRIAUD, N. Estética Relacional. São Paulo: Martins Fontes, 2009a; e, por fim, do autor, Pós-produção: como a arte reprograma o mundo contemporâneo. São Paulo: Martins Fontes, 2009b.

BOURRIAUD, N. Pós-produção: como a arte reprograma o mundo contemporâneo. São Paulo: Martins, 2009.

FABBRINI, R. N. A Altermodernidade de Nicolas Bourriaud. Trans/Form/Ação. Marília, v. 35, n. 3, p. 259-266, Set./Dez., 2012.

GONÇALVES, A. J. O olhar refratário de Charles Baudelaire. In: BAUDELAIRE. C. Escritos sobre arte. Org. e trad. Plínio Augusto Coelho. São Paulo: Imaginário; Edusp, 1991.

LIMA, S. A alta licenciosidade: poética e erótica. São Paulo: FAAP, 1985.

LIPOVETSKY, G. L´Ère du Vide. Gallimard: Paris, 1983.

LIPOVETSKY, G; SERROY, J. A cultura-mundo: resposta a uma sociedade desorientada. Trad. Maria Lúcia Machado. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

RATO, V. O pós-modernismo morreu. Viva a altermodernidade. Ípslon, 30 mar. 2009. Disponível em: https://www.publico.pt/2009/03/30/culturaipsilon/noticia/o-pos-modernismo-morreu-viva-a-altermodernidade-226994. Acesso: 20 de nov., 2019.

SCHIFFER, D. S. Le dandysme, dernier éclat d’héroisme. Paris: Presses Universitaires de France, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.