QUALIDADE DE VIDA ALIMENTAR DO PROFISSIONAL MÉDICO

Jéssica Vencatto Senem, Greizle Scapini Von Muhlen, Carlos Eduardo Reuter, Karina Ferreti Zakrzevski, Andrey Felipe de Carvalho Pinheiro

Resumo


O profissional médico é o diplomado para o cuidado com a vida dos indivíduos. Durante a sua formação, passa por anos de estudo e rotineiramente trabalha com a orientação de hábitos alimentares saudáveis para seus pacientes, visto que esta minimiza, afasta e até mesmo cura doenças. No entanto, mesmo diante de tamanha carga técnico científica de conhecimento a que foi exposto durante a academia e sua experiência médica, o profissional parece não desempenhar boas atitudes alimentares para si, evoluindo com doenças crônicas e situações alarmantes, sob influencia de diversos fatores de estresse experimentados. Diante desta problemática, este artigo de revisão de literatura busca informar sobre os hábitos e atitudes alimentares dos médicos desde a sua formação. Seu conteúdo foi pesquisado nas plataformas de pesquisa NCBI, LILACS, SCIELO, através de termos como: “alimentação do médico”, “alimentação de médicos residentes”, “hábitos alimentares do médico” em português e inglês. Foram escolhidos 24 artigos, publicados no período entre 1997 a 2020 e dentre eles, as informações extraídas envolvem o gênero dos indivíduos, a modalidade acadêmica ou profissional médico e os fatores que abarcam os hábitos de alimentação.


Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, E. S. et al. Alimentação mundial: uma reflexão sobre a história. Saude soc., São Paulo, v. 10, n. 2, p. 3-14, Dec. 2001. Disponível em: . Acesso em: 21 jun.2020.

BOSI, M. L. M. et al. Comportamento alimentar e imagem corporal entre estudantes de medicina. Rev. bras. educ. med., Rio de Janeiro, v. 38, n.2, p. 243-252, Junho 2014. Disponível em: http:/www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022014000200011&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 07 jun.2020.

BOOG, M. C. F. Dificuldades encontradas por médicos e enfermeiros na abordagem de problemas alimentares. Rev. Nutr., Campinas, v. 12, n. 3, p. 261-272, dez. 1999. Disponível em: . Acesso em: 13 jun.2020.

CAHU, R. A. G. et al. Estresse e qualidade de vida em residência multiprofissional em saúde. Rev. bras.ter. cogn., Rio de Janeiro , v. 10, n. 2, p. 76-83, dez. 2014 . Disponível em: . Acesso em: 20 jun.2020.

CANESQUI, A. M.; GARCIA, R. W. D. Antropologia e nutrição: um diálogo possível [online]. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, Antropologia e Saúde collection. ISBN 85- 7541-055-5. 2005. 306 p. Disponível em: < http://books.scielo.org/id/v6rkd>. Acesso em: 13 jun.2020.

COSTA, D. G. et al. Qualidade de vida e atitudes alimentares de graduandos da área da saúde. Rev. Bras. Enferm., Brasília , v. 71, supl. 4, p. 1642-1649, 2018. Disponível em: . Acesso em: 21 jun.2020.

CRANE, A.; TREASURE, J.; MCCONVILLE, S. Eating disorders on the wards. BMJ, v. 334, n. Suppl S2, 2007. Disponível em: https://www.bmj.com/content/334/Suppl_S2/07028 0 Acesso em: 21 jun.2020.

FICHTER, M. M.; QUADFLIEG, N.; HEDLUND, S. Twelve-year course and outcome predictors of anorexia nervosa. Int J Eat Disord. 39(2):87-100, 2006. Disponível em: . Acesso em: 21 jun.2020.

GARCIA, R. W. D. Representações sociais da alimentação e saúde e suas repercussões no comportamento alimentar. Physis, Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, p. 51-68, dez. 1997.

Disponível em: . Acesso em: 21 jun. 2020.

HAY, P. J. Epidemiologia dos transtornos alimentares: estado atual e desenvolvimentos futuros. Rev. Bras. Psiquiatr., São Paulo, v. 24, supl. 3, p. 13-17, Dec. 2002. Disponível em: . Acesso em: 21 jun.2020.

MARUYAMA, K. et al. The joint impact on being overweight of self reported behaviours of eating quickly and eating until full: cross sectional survey. BMJ 337:a2002, 2008. Disponível em: Acesso em: 20 jun.2020.

MOREIRA, P. R. S. et al. Análise crítica da qualidade da dieta da população brasileira segundo o Índice de Alimentação Saudável: uma revisão sistemática. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 20, n. 12, p. 3907-3923, Dec. 2015. Disponível em: . Acesso em: 20 jun.2020.

MOREIRA, N. et al. Qualidade de vida. Revista Brasileira De Educação Física E Esporte, 33(1), 107-114, 2020. Disponível em: Acesso em: 20 jun.2020.

MOTA, M. C. et al . Estilo de vida e formação médica: impacto sobre o perfil nutricional. Rev. bras. educ. med., Rio de Janeiro, v. 36, n. 3, p. 358-368, Sept. 2012. Disponível em: . Acesso: 13 jun. 2020.

NETO, P.; CAPONI, S. N.C. A medicalização da beleza. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 11, n. 23, p. 569-584, Dec. 2007. Disponível em: . Acesso em: 21 jun. 2020.

NUNES, M. A. et al. Prevalence of abnormal eating behaviours and inappropriate methods of weight control in young women from Brazil: a population-based study. Eating and weight disorders: EWD, v. 8, n. 2, p. 100-106, 2003. Disponível em: < https://www.researchgate.net /publication/10645698_Prevalence_of_abnormal_ eating_behaviours_and_inappropriate_methods_of_weight_control_in_young_women_from_Brazil_A_population-based_study> Acesso em: 20 jun.2020.

OLIVEIRA, R. J.; CUNHA, T. Estresse ocupacional: causas e consequências. Rev Bras Med Trab., 14, (3), p. 285-289, jul-dez, 2016. Disponível em: Acesso em: 21 jun. 2020.

OLIVEIRA, K. S.; SILVA, D. O.; SOUZA, W. V. Barreiras percebidas por médicos do Distrito Federal para a promoção da alimentação saudável. Cad. saúde colet., Rio de Janeiro, v. 22, n. 3, p. 260-265, Sept. 2014. Disponível em: . Acesso em: 21 jun.2020.

PIKE, K.M.; BOROVOY, A. The Rise of Eating Disorders in Japan: Issues of Culture and Limitations of the Model of “westernization”. Cult Med Psychiatry 28, 493–531 (2004). Disponível em: Acesso em: 21 jun. 2020.

PINTO, A. C. M. et al. Transtornos alimentares em alunas da Faculdade de Medicina do Centro de Ciências Médicas e Biológicas da PUC-SP. Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba, v. 11, n. 2, p. 16-20, 2009. Disponível em: Acesso em: 21 jun. 2020.

SANTOS, I, J. L. et al. Avaliação da prevalência de obesidade e sobrepeso entre estudantes de Medicina da Universidade Severino Sombra, Vassouras-RJ. Revista Fluminense de Extensão Universitária. 06 (1/2): 13-20, 2016. Disponível em: . Acesso em: 30 mar.2020.

SOUZA, F. G. M. et al. Anorexia e bulimia nervosa em alunas da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará-UFC. Rev. psiquiatr. clín. (São Paulo), p. 172-180, 2002. Disponível em: Acesso em: 30 mar.2020.

STICE E.; MARTI, C. N.; ROHDE, P. Prevalence, incidence, impairment, and course of the proposed DSM-5 eating disorder diagnoses in an 8-year prospective community study of young women. J Abnorm Psychol. 2013;122(2):445-457. Disponível em: Acesso em: 21 jun.2020.

VIEIRA, A. et al. A qualidade de vida de quem cuida da saúde: a residência multiprofissional em análise. Revista de Gestão e Sistemas de Saúde – RGSS, São Paulo, v. 8, n. 3, p. 371-383, set./dez. 2019 Disponível em: https://periodicos.uninove.br/index.php? journal=revis targss&page=article&op=view&path%5B%5D= 14419&path%5B%5D=7953 Accesso em: 21 jun.2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.