DO BRASIL IMPERIAL AO CONTEMPORÂNEO: ESTUDO DE CASO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PELOTAS

Solange Irene Smolarek Dias, Carolina Amabile Barros, Samantha Bering Fróes

Resumo


Com o tema estudo de caso da região metropolitana de Pelotas/RS, o qual se situa no assunto planejamento regional, buscou-se responder por que desta zona — que possui ainda hoje grande interdependência e influência no estado gaúcho — ter sido oficializada como região metropolitana apenas tão recentemente. A hipótese formulada sugeriu que se tratava de mera ausência de respaldo legal para Regiões Metropolitanas. Todavia, foi preciso objetivar o entendimento de conceitos como centralidade e região de influência, apresentação concisa das bases legais para metrópoles, isto é: as leis nº 10.257/2001 e nº 13.089/2015 e a como a ocorrência da gênese da mesorregião e microrregião de Pelotas, influenciada por disputas entre as Coroas Portuguesa e Espanhola, serviu como fator auxiliar no desenvolvimento econômico e social local. Com a orientação do marco teórico “o passado é, por definição, um dado que nada mais modificará, mas o conhecimento do passado é uma coisa em progresso, que incessantemente se transforma e aperfeiçoa”, e do encaminhamento metodológico dialético, formulou-se dados acerca da condição da nova região metropolitana, dada a necessidade de apresentar os mesmos, os resultados mais expressivos e conclusões.  Como resultados mais relevantes considera-se o fato de que Pelotas, apesar de ser Região Metropolitana, possui um baixo IDHM, e não está se desenvolvendo como no passado, bem como possui uma íntima relação com a cidade do Rio Grande, já que dividem a influência no sul do estado

Texto completo:

PDF

Referências


BIBLIOGRAFIA

ATLAS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO NO BRASIL. PNUD, IPEA e Fundação João Pinheiro (FJP), Rio de Janeiro, 2013. Acesso em: Árvore do IDHM, 2010. Pelotas e Porto Alegre, 2010: Rio Grande do Sul.

ATLAS SOCIOECONÔMICO. Aglomerações Urbanas: Rio Grade do Sul possuí duas Aglomerações Urbanas instituídas, 2019. Disponível em . Acesso em 05 de novembro de 2019

BLOCH, Marc. Apologia da História, ou o Ofício de Historiador. Rio de Janeiro, Ed. Jorge Zahar, 2001, p. 75.

BRASIL. Indicadores socioeconômicos, Portal MEC, s.d. Disponível em . Acesso em 01 Jul 2020.

BRASIL. Lei n° 10.257, de 10 de julho de 2001. Regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências. 10 Jul. 2001. Disponível em . Acesso em 08 Out 2019.

BRASIL. Lei nº 13.089, de 12 de janeiro de 2015. Institui o Estatuto da Metrópole, altera a Lei nº 10.257, de 10 de julho de 2001, e dá outras providências. 12 Jan. 2015. Disponível em . Acesso em 08 Out 2019.

BREITBACH. Aurea Correa de Miranda. Estudo sobre o conceito de região, Dissertação de mestrado do Programa de Pós-Graduação em Planejamento Urbano e Regional, Porto Alegre; Faculdade de Arquitetura da UFRGS, 1986. Disponível em . Acesso em 27 Set 2019.

CARRASCO, André de Oliveira Torres. O processo de produção do espaço urbano na cidade de Pelotas: Subsídios para uma reflexão sobre o desenvolvimento das relações de desigualdade entre centro e periferia. Revista Oculum Ensaios, Campinas, v. 14, n. 3, 2017 (p. 597-598). Disponível em Acesso em 06 Out 2019.

DINIZ, Célia Regina; SILVA, Iolanda Barbosa da. Tipos de métodos e sua aplicação. Campina Grande; Natal: UEPB/UFRN - EDUEP, 2008. Disponível em . Acesso em 26 Set 2019.

FIRKOWSKI, Olga Lucia Castreghini de Freitas. Porque as regiões metropolitanas no Brasil são regiões, mas não são metropolitanas. Revista Paranaense de Desenvolvimento, Curitiba, n.122, p.19-38, 2012. Disponível em . Acessado em 06 Out 2019.

GLUSZEVICZ, Ana Cristina; MARTINS, Solismar Fraga. Conceito de Centralidade Urbana: estudo no Município de Pelotas, RS. Artigo submetido ao II SEURB - Simpósio de Estudos Urbanos: a dinâmica das cidades e a produção do espaço, ago., 2013. Disponível em .

IANNI, Aurea Maria Zöllner; MONTEIRO, Paulo Henrique Nico; ALVES, Olga Sofia Fabergé; MORAIS, Maria de Lima Salum e; BARBOZA, Renato. Metrópole e região: dilemas da pactuação da saúde. O caso da Região Metropolitana da Baixada Santista, São Paulo, Brasil. Artigo. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 28, n. 5, p. 925-934, 2012.

IBGE. O IBGE: Histórico. s.d. Disponível em Acesso em 08 Out 2019.

JUSBRASIL. CCJ aprova criação da Região Metropolitana de Pelotas. Disponível em Acesso em 02 julho 2020.

MAGALHÃES, Mario Osório. Opulência e cultura na província de São Pedro do Rio Grande do Sul: um estudo sobre a história de Pelotas (1860-1890), Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), 1993.

MARRONI, Miriam. Projeto de Lei Complementar nº 249/2013. Diário Oficial da Assembleia Legislativa, Porto Alegre, 2013. Disponível em . Acesso em 06 Out 2019.

MEIRA, Chéli Nunes. et al. Experiências de trabalho no instituto histórico e geográfico de pelotas: O ARQUIVO PESSOAL DE MÁRIO OSORIO MAGALHÃES. Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul, n. 152.

OSÓRIO, Fernando. A cidade de Pelotas. Pelotas: Tip. do Diário Popular (Jornal), 1922.

PACHECO, Maria F. de Souza Docca. Colonização no Rio Grande do Sul. Boletim Geográfico do Rio Grande do Sul, Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão - RS, 1955. Disponível em . Acesso em 01 Set 2019. ISSN 2446-7251.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. História do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Martins livreiro, 2014. 9ª Ed.

POZENATO, José Clemente. Algumas considerações sobre região e regionalidade. In: POZENATO, José Clemente. Processos culturais: reflexões sobre a dinâmica cultural. Caxias do Sul: Educs, 2003. Disponível em . Acesso em 30 Set 2019.

PARFITT, Claure Morrone Barbat. Aglomeração urbana do sul Brasil, expansão urbana: 1990 a 2011. Revista da ANPEGE, v. 13, n. 20, p. 130-156, 2017. Disponível em . Acesso em 29 de outubro de 2019.

SOARES, Paulo Roberto Rodrigues. Regiões metropolitanas ou aglomerações urbanas? Contribuição para o debate no Rio Grande do Sul. Ensaios FEE, v. 36, n. 2, p. 323-342, 2015. Disponível em . Acesso em 02 Set 2019


Apontamentos

  • Não há apontamentos.