CONCEITOS DE ACESSIBILIDADE E VITALIDADE URBANA NA PRAÇA PARIGOT DE SOUZA EM CASCAVEL – PR

Andressa Carolina Ruschel, Ana Gabriela Rigo Borges

Resumo


O presente trabalho teve por objetivo analisar as condicionantes de vitalidade urbana e acessibilidade na Praça Parigot de Souza, em Cascavel – PR. Avaliando os fatores como frequência e experiência criada pelos usuários do ambiente. Primeiramente foram introduzidos os conceitos gerais sobre acessibilidade e vitalidade urbana, tais quais foram utilizados para a base metodológica na análise da Praça Parigot de Souza. Em seguida, foram apresentadas as informações gerais sobre a Praça Parigot de Souza, como localização, tamanho, frequência, e mobiliários urbanos. Nas próximas etapas ocorreram a apresentação das características atuais do ambiente como estudo de caso, considerando as metodologias a serem aplicadas e seguindo a seguinte problemática: A praça Parigot de Souza atende aos conceitos de acessibilidade e vitalidade urbana? Verificou-se através da observação e pesquisas, que a Praça Parigot de Souza é um lugar vital urbano para a cidade de Cascavel, através dos elementos como o espaço proporcionado, eventos promovidos e mobiliário urbano estruturado, porém de forma a proporcionar a acessibilidade a todos, não é critério priorizado na estruturação. Mesmo não promovendo acessibilidade a todos, a Praça cria um vínculo de experiência com seus usuários. Conclui-se então que a praça deve ser um elemento essencial para a existência humana no meio urbano, criando espaços vitais dentro das cidades e promovendo igualdade acessível a todos.

 

Palavras-Chave: Vitalidade urbana, acessibilidade, condicionantes.


Texto completo:

PDF

Referências


ABBUD, Benedito. Criando paisagens: guia de trabalho em arquitetura paisagística. – São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2006.

CAMBIAGHI, Silvana. Desenho universal: métodos e técnicas para arquitetos e urbanistas. – São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2007.

DIAS, Rosangela Maria Sachet; DIAS, Solange Irene Smolarek. Procedimentos para análise de processos de lotes urbanos localizados em área de preservação permanente – app no município de Cascavel. Revista Thêma et Scientia – Vol. 6, no 1, jan/jun 2016.

DUARTE, Juliana de Souza. Ambiente construído e vitalidade urbana: avaliação de três praças no bairro Manaíra. – João Pessoa, 2014.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Dicionário Aurélio da língua portuguesa. 8. ed. Curitiba: Positivo, 2010. 895 p. ISBN 978-85-385-4198-1.

FARIA, Célia Joaquina Fernandes. A construção do lugar arquitectónico a significação da forma arquitectónica na perspectiva da experiência do sujeito. Dissertação de mestrado, Lisboa – 2009.

GALINDEZ, Jorge; AMENGUAL, Clotilde. Anais do VI SIAMF Seminário sobre Acessibilidade ao Meio Físico, Rio de Janeiro, 8 a 10 de junho de 1994. E, Anais do Curso Básico sobre Acessibilidade ao Meio Físico, Rio de Janeiro, 6 e 7 de junho de 1994. – Brasília: CORDE, 1995.

GEHL, Jan. Cidades Para Pessoas. Tradução de Anita Di Marco. 3. Ed. – São Paulo: Perspectiva, 2015.

IBGE. Censo 2010. Disponível em: Acesso em 13 de out. 2017.

LAMÔNICA, Dionísia A. Cusin; FILHO, Pedro Araújo; SIMONELLI, Simone B. Joaquim; CAETANO, Vera L. S. Butignoli; REGINA, Márcia R. R; REGIANI, Denise Maria. Acessibilidade em ambiente universitário: identificação de barreiras arquitetônicas no campus da USP de Bauru. Rev. Bras. Educ. Espec. v.14, n.2, 2008.

NORMA BRASILEIRA, ABNT NBR 9050. Acessibilidade a edifcações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Terceira edição, 11.09.2015. Associação Brasileira de Normas Técnicas, 2015.

NESBITT, Kate. Uma nova agenda para a arquitetura: antologia teórica (1965-1995). São Paulo: Cosac Naify, 2° ed. rev. 2008.

OKAMOTO, Jun. Percepção ambiental e comportamento. – São Paulo: Plêiade, 1996.

OLIVEIRA, Júlio César; FERREIRA, Leonarto Venturini Silva; COSTA, Rodrigo Rattes; CORADI, Rogério Lopes. Acessibilidade Urbana: Estudo de caso da Praça Capela Nova. Maio de 2010. Disponível em: Acesso em 13 de out. 2017.

PORTAL DO MUNICÍPIO DE CASCAVEL. Histórico das Praças. 2014. Disponível em: < http://www.cascavel.pr.gov.br/secretarias/semdec/sub_pagina.php?id=256> Acesso em 13 de out. 2017.

PRADO, Adriana; LOPES, Maria Elisabete; ORNSTEIN, Sheila. Desenho Universal: Caminhos da acessibilidade no Brasil. São Paulo: Annablume, 2010.

PRODANOV, Cleber Cristiano, FREITAS, Ernani Cesar de. Metodologia do Trabalho Científico: Métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2° edição – Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

QUEIROZ, Marco Antônio de. Acessibilidade web: Tudo tem sua Primeira Vez. 2006. Disponível em: http://www.bengalalegal.com/capitulomaq#301. Acesso em: 13 ago. 2017.

SABOYA, Renato. Fatores Morfológicos da Vitalidade no ArchDaily. 2017. Disponível em: http://urbanidades.arq.br/2017/02/fatores-morfologicos-da-vitalidade-no-archdaily/ acesso em 08 de agosto de 2017.

SABOYA, R. T.; NETTO, V. M.; VARGAS, J. C. Fatores morfológicos da vitalidade urbana. Uma investigação sobre o tipo arquitetônico e seus efeitos. Arquitextos, v. 180 n. 02, 2015.

SABOYA, Renato T. de; BITTENCOURT, Sofia; STELZNER, Mariana; SABBAGH, Caio; MORO BINS ELY, Vera H.. Padrões de visibilidade, permeabilidade e apropriação em espaços públicos abertos: um estudo sintático. Arquitextos, São Paulo, ano 14, n. 164.01, Vitruvius, jan. 2014 Disponível em: . Acesso em 21 de ago. 2017.

SABOYA, Renato. Condições para a vitalidade Urbana #1 – densidade. 2012. Disponível em: Acesso em 20 de ago. 2017.

SALOMON, D. V. Como fazer uma monografia. São Paulo: Interlivros, 1974.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.