TUMOR DE WILMS: ANÁLISE DAS CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS E EPIDEMIOLÓGICAS

Luana Turmina, Alexia Degasperin Voigt, Ana Julia Silva Rodrigues, Marithza Mayumi Hata, Carmem Maria Costa Mendonça Fiori

Resumo


Objetivo: Analisar o perfil dos pacientes menores de 19 anos portadores de Tumor de Wilms no Hospital UOPECCAN-Cascavel-PR, visando estabelecer as características clínicas e o perfil epidemiológico. Métodos:  Estudo observacional, transversal e quantitativo-descritivo realizado mediante análise de prontuários de 39 pacientes diagnosticados com Tumor de Wilms entre Janeiro/2001 e Julho/2019 no Hospital UOPECCAN. Resultados: Foram revisados 39 casos de Tumor de Wilms. Quanto ao sexo, 18 (46%) eram do gênero masculino e 21 (54%) do gênero feminino. A idade média ao diagnóstico foi de 3,69 anos, sendo que 32 (82%) pacientes tinham menos que 5 anos, 4 (10%) tinham entre 6 e 10 anos, 3 (8%) tinham entre 11 e 14 anos. Quanto ao estadiamento, 11 (28%)  pacientes tinham estadio I, 9 (23%) estadio II, 8 (21%) estadio III, 7 (18%) estadio  IV e 4 (10%) estadio V. Quanto a média do tempo decorrido entre o início dos sintomas e a procura por atendimento, 19 (49%) pacientes tiveram o diagnóstico nos primeiros 15 dias a partir do início dos sintomas, 12 (31%) entre 15 e 60 dias, 8 (20%) permaneceram por mais de 60 dias com sintomas até o diagnóstico. As manifestações clínicas mais frequentes foram: massa abdominal/aumento de volume abdominal (n=34; 87%), dor abdominal (n=13; 33%), febre (n=10; 26%), hematúria (n=2; 5%) e hipertensão arterial (n=1; 2,5%). Dos 39 pacientes atendidos, 34 (87%) permanecem vivos e 5 (13%) foram a óbito. Conclusão: O Tumor de Wilms é o tumor renal maligno mais comum da infância, sendo mais incidente nos 4 primeiros anos de vida. O diagnóstico e tratamento precoce são muito importantes para aumentar a sobrevida desses pacientes.


Texto completo:

PDF

Referências


AMERICAN CANCER SOCIETY. Signs and Symptoms of Wilms Tumors.

October 17, 2018. Disponível em: https://www.cancer.org/cancer/wilms-tumor/detection-diagnosis-staging/signs-and-symptoms.html. Acesso em: 15 mar. 2019.

BESNARD-GUÉRIN, Corinne et al. A common region of loss of heterozygosity in Wilms' tumor and embryonal rhabdomyosarcoma distal to the D11S988 locus on chromosome 11p15. 5. Human genetics, v. 97, n. 2, p. 163-170, 1996.

BLAKELY, Martin L.; RITCHEY, Michael L. Controversies in the management of Wilms' tumor. In: Seminars in pediatric surgery. WB Saunders, 2001. p. 127-131.

BRESLOW, Norman et al. Epidemiology of Wilms tumor. Medical and pediatric oncology, v. 21, n. 3, p. 172-181, 1993. Disponível em: https://sci-hub.tw/https://doi.org/10.1002/mpo.2950210305. Acesso em: 15 mar. 2019.

CAMARGO, Beatriz de; BRENTANI, Ricardo Renzo. Fatores que influenciam o prognóstico clínico em pacientes com tumor de Wilms: um estudo nacional. São Paulo: Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo; 1996.

DAVIDOFF, Andrew M. Wilms Tumor. Current Opinion in Pediatrics. 2009 Jun; 21(3): 357–364. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2908383/. Acesso em: 11 mar. 2019.

GRABOIS, Marilia Fornaciari et al. Prognosis for patients with unilateral Wilms' tumor in Rio de Janeiro, Brazil, 1990-2000. Revista de saude publica, v. 39, n. 5, p. 731-737, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-89102005000500006&script=sci_arttext. Acesso em: 15 mar. 2019.

INTITUTO NACIONAL DO CÂNCER (INCA). Tumor de Wilms – versão para profissionais de saúde. 16/11/2018 .Disponível em: https://www.inca.gov.br/tipos-de-cancer/cancer-infantojuvenil/tumor-de-wilms/profissional-de-saude. Acesso em: 12 mar. 2019.

NEVILLE, Holly L.; RITCHEY, Michael L. WILMS'TUMOR: Overview of National Wilms' Tumor Study Group Results. Urologic Clinics of North America, v. 27, n. 3, p. 435-442, 2000.

ONCOGUIA. Sobre o Tumor de Wilms. 26/09/2017. Disponível em: http://www.oncoguia.org.br/conteudo/sobre-o-cancer/3806/164/. Acesso em: 15 mar. 2019.

______. Tipos de Tumor de Wilms. 26/09/2017. Disponível em: http://www.oncoguia.org.br/conteudo/tipos-de-0tumor-de-wilms/4831/622/. Acesso em: 15 mar. 2019.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA - DEPARTAMENTO CIENTÍFICO DE ONCOLOGIA –Atuação do pediatra: epidemiologia e dignóstico precoce do câncer pediátrico. Nº 1, março de 2017. Disponível em: https://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/publicacoes/C-Doc-Cientifico-Oncologia-Epidemiol-30-mar-17.pdf. Acesso em: 12 mar. 2019.

SZYCHOT, Elwira; APPS, John; PRITCHARD-JONES, Kathy. Wilms’ tumor: biology, diagnosis and treatment. Transplational Pediatrics. 2014 Jan; 3(1): 12–24. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4728859/. Acesso em: 11 mar. 2019.

TAKAMATU, Eliziane E. Tumor de Wilms: características clínicas e cirúrgicas. 2006.

TEIXEIRA, Roberto Augusto Plaza. Fatores clínicos e biológicos para recidivas em tumores de Wilms localizados. 2005. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

TEIXEIRA, Roberto Augusto Plaza et al. Tumor de Wilms: avaliação clínica, histológica, imunoistoquímica (p53) e prognóstico. Pediatria (São Paulo), v. 23, n. 2, p. 137-45, 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.